Fim de semana começou agitado em boa vista com a chegada da chama olímpica
Condutores contam história de vida ao levar a Tocha Olímpica

Por Beatriz Prill
A passagem da tocha não somente permitiu ao Brasil conhecer um pouco de nossa cidade, bem como nossa cultura, mas também conhecer histórias de nossos roraimenses. Um dos exemplos é a Dona Neuza. Ela que é do sul do país, mas já está em Roraima a 31 anos. É a atleta mais idosa de roraima, com 51 anos de carreira na modalidade de volei. Ela que já ajuda algumas pessoas de baixa renda através do esporte em seu clube de volei/ melbv, diz que sonha em construir um local somente para atender pessoas carentes.

Também no sábado, poucos minutos antes de receber o revezamento da tocha, conhecemos mais um exemplo de garra. O atleta paralímpico Hermano Damasceno, que há três anos prática a modalidade olímpica de paraciclismo e representou os deficientes físicos e todos os atletas paralímpicos de Roraima. Ele contou, emocionado, que não há barreiras para quem sonha e tem coragem de vencer desafios.